Clínica Veterinária das Taipas, Dicas

 
 
 
 

Parasitas Externos - Carraças - O que são?

 
São parasitas ávidos de sangue e que na sua forma adulta são bem visíveis à vista desarmada. Vêem-se normalmente fixadas à pele dos animais. Quando as carraças se alimentam através da sua picada podem transmitir agentes patogénicos. Normalmente é mais fácil que os cães apanhem carraças em zonas com vegetação, arbustos ou plantas em geral, pois são o seu local de espera para "apanhar" um hospedeiros.

Recomendamos a prevenção através do uso de produtos anti-parasitários com efeito repelente e acaricida (elimina carraças). Se encontrar o seu animal muito triste, provavelmente com febre alta, abatido, perda de apetite, vómito deverá consultar o seu Médico Veterinário. Como remover uma carraça? - As carraças podem ser removidas com uma tesoura ou objeto especifico para as remover: - Segure a carraça pela cabeça,junto ao local onde penetra na pele. não segure a carraça pelo corpo. Com uma pressão firme e suave, puxe a carraça para cima e para fora.
 
 
 

Parasitas internos

 
Estes parasitas vivem no intestino dos cães, podendo afetar a digestão e a assimilação de nutrientes. Os parasitas internos dos cães e gatos, além dos danos que causam aos mesmos, constituem uma ameaça real para a saúde dos humanos, principalmente para as crianças. Cuidados de higiene e o controlo regular com produtos eficazes, seguros e adaptados à espécie em questão, são indispensáveis para salvaguardar a saúde de toda a família.

Uma análise realizada às fezes pode revelar ovos de parasitas e, desta forma, podemos escolher o desparasitante que melhor de adapta ao parasita em questão. No momento de escolher o desparasitante também devemos ter em consideração se o cachorro prefere comprimidos, pastas ou líquidos. Não compre produtos que não são formulados para utilização veterinária, apesar de mais baratos, muitas vezes não são eficazes. A desparasitação dos cachorros e dos cães adultos deve ser efetuada de forma sistemática e regular, de acordo com a rotina definida pelo médico veterinário. Por norma, o plano de desparasitação dos cachorros é mais exigente do que o dos cães adultos, uma vez que são animais mais sensíveis.
 
 
 
 
 
 
 

Cuidados com a pele

 
A pele é uma barreira impermeável que protege o organismo, renovando-se, em média a cada três semanas. Uma alimentação de qualidade e equilibrada é fundamental para fornecer os nutrientes necessários para a renovação da pele. Em caso de problemas de pele, provocados por infeções ou alergias, será necessário fornecer ao animal maiores quantidades de alguns nutrientes como vitaminas ou aminoácidos.

Comichão - A comichão é um dos sinais clínicos mais comuns em caso de problemas de pele. Um animal pode coçar-se por várias razões: .
A multiplicidade de razões que podem levar um animal a coçar-se implica uma diversidade de tratamentos possíveis. O médico veterinário realizará os exames complementares necessários para estabelecer o dagnóstico, indispensável para a implementação de um tratamento adequado.
 
 
 

Parasitas internos

 
A dirofilariose é uma doença parasitária grave que pode afetar cães, gatos e animais exóticos como os furões.
É provocada por um verme que é transmitido por um determinado tipo de mosquitos. Esta doença também é conhecida por doença do verme do coração porque os vermes adultos alojam-se nesse orgão, onde se alimentam e se reproduzem. Em determinadas zonas de Portugal a incidência desta doença é bastante elevada. As larvas transmitidas por um mosquito infetado, que vivem debaixo da pele não provocam sintomas, mas quando se transformam em adultos, podem obstruir artérias e/ou o coração. A angiostrongilose é um memátodo pulmonar pouco conhecido mas cada vez mais diagnosticado. Transmite-se através da ingestão de lesmas, caracóis e ocasionalmente pelas rãs.

Há vários sintomas que podem ajudara detetar se a sua mascote está infetada, como problemas respiratórios, tosse ou cansaço frequente e anormal. O animal também pode apresentar problemas de coagulação sanguínea que provocam sangramento excessivo em pequenas feridas. Outros sintomas são alterações de comportamento, convulsões, perda de peso, perda de apetite, vómitos e diarreia. Para proteger contra estas doenças, o melhor que se pode fazer é preveni-las. Para tal deve-se proceder à aplicação regular de produtos antiparasitários que evitem larvas depositadas pelos mosquitos ou ingeridas.